segunda-feira, 24 de abril de 2017

Spray com células-tronco para curar queimaduras já é realidade

Nós já falamos no nosso blog sobre o spray de células-tronco!!!

O dispositivo é basicamente uma pistola spray que borrifa células-tronco diretamente na pele com queimadura. Este método usa a capacidade do seu corpo para regenerar, juntamente com as células-tronco, a pele totalmente funcional. Recentemente os primeiros casos que utilizaram o spray foram publicados em uma revista internacional. Lembram do primeiro caso ficou famoso? Vejam no vídeo do nosso post anterior. Foi um policial estadual da Pensilvânia, Matt Uram, que sofreu queimaduras após tentar acender uma fogueira com gasolina. Cinco dias após o acidente, os médicos criaram uma uma suspensão líquida de suas células-tronco que foram pulverizadas na área queimada. Três dias depois, quando chegou a hora de remover as bandagens, o médico ficou espantado com o que viu. As queimaduras foram quase completamente curadas, e qualquer risco de infecção ou cicatrizes tinha desaparecido.


O novo estudo, publicado no jornal científico Burns, descreveu como o novo método regenera a pele de uma maneira eficaz. A técnica reduz o tempo de cicatrização e minimiza complicações com resultados estéticos e funcionalmente muito superiores que as técnicas atuais. No novo teste, dezenas de vítimas de queimaduras na Alemanha e nos EUA foram tratadas com sucesso com o spray e mostrou ótimos resultados.

O resultado deste spray depende da qualidade das células-tronco que são utilizadas. Quanto mais jovens as células, maior o potencial. Um paciente que tenha as células guardadas poderá utilizar células jovens e ainda fazer o uso da técnica imediatamente, não dependendo de ter áreas doadoras ou da realização de outra cirurgia. Por isso é tão importante armazenar suas células-tronco, esta é a única maneira de ter suas células quanto você precisar!!

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Ex-atleta, Laís Souza utiliza o tratamento com células-tronco para tentar andar novamente!!!


Faz pouco mais de um mês que a ex-atleta Laís Souza, de 28 anos, voltou dos Estados Unidos com uma excelente notícia na bagagem. No início de fevereiro, Laís esteve em uma consulta com o médico Barth Green, do Miami Project, e ouviu dele a informação de que existe a possibilidade de que ela ande novamente. Em 2014, ela ficou tetraplégica depois de um acidente enquanto treinava para as Olimpíadas de Inverno que, naquele ano, aconteceram em Sochi, na Rússia.
Green acompanhou os progressos que Laís vem experimentando a partir do tratamento pioneiro ao qual ela foi submetida usando células-tronco. A ex-atleta brasileira foi a primeira pessoa nos Estados Unidos a obter uma autorização da Food and Drug Administration – agência americana responsável pela liberação de drogas e tratamentos –  para usar células-tronco em terapia de lesão medular.
O uso das células-tronco no caso da Laís mostra que é possível sim aplicar as células mesmo sem ter uma terapia de rotina aprovada. No Brasil existem vários casos de uso aprovados baseados em analise de caso a caso. Por isso a importância de guardar as suas células-tronco. No caso de uma lesão, ter suas células-tronco jovens guardadas pode representar a uma grande diferença na terapia.

Como você conseguiu seu progresso mais recente?
Usei um extensor que deixa o joelho estendido. As pessoas o utilizam para ficar em pé depois que fazem cirurgia para o joelho. Já ficava de pé, mas com a tala pude fazer coisas a mais com o braço. Ele fica mais solto, o que me permite executar alguns movimentos.

Que outros sinais de avanços você está conseguindo observar?
Sinto algumas coisas. Algumas áreas no meu braço trepidam, o dedo mexe um pouco, o tríceps pula bastante. Parece que está fibrilando, sabe? E sei que a força do meu abdome e das minhas costas também está muito melhor.

No mês passado você esteve nos Estados Unidos para mais uma consulta de acompanhamento do tratamento que fez usando células-tronco. Qual foi a impressão dos médicos?
O Dr. Barth (Barth Green, do Miami Project, importante centro mundial de tratamento e pesquisa da paralisia) acredita que há chance de eu voltar a andar por causa das células-tronco. Fiquei muito, muito feliz. Ele falou em inglês, eu fiquei lá toda concentrada para conferir se era aquilo mesmo que ele estava me dizendo. E era. Quando traduzi para minha mãe (Odete), o coração dela pulsou mais forte.

Como ele justificou essa previsão?
Ele disse que a lesão é pequena e que sou muito nova. Conforme o tempo for passando e eu continuar progredindo, vão surgir outros avanços que me ajudarão ainda mais.


segunda-feira, 27 de março de 2017

Tratamento com células-tronco reverte casos de impotência sexual


Segundo um estudo realizado no hospital Universitário de Odense (Dinamarca), os homens que não tinham ereções após retirar a próstata conseguiram manter relações sexuais recorrendo a um tratamento com células-tronco. Em oito de 21 homens tratados foi possível reparar a disfunção erétil, apontam resultados preliminares “promissores” da investigação realizada pela equipe de Martha Haahr.

Os investigadores utilizaram células-tronco retiradas de gordura abdominal dos pacientes por lipoaspiração para injetar no pênis, e seis meses após o procedimento 8 dos 21 pacientes recuperaram função erétil suficiente para ter atividade sexual, o que foi mantido durante um ano de observação. Sendo que nenhum dos 21 pacientes relatou nenhum efeito colateral significativo durante o período do procedimento e no ano seguinte.

A equipe recebeu autorização das autoridades dinamarquesas para passar diretamente a testes de fase 3 e avaliar a eficácia do método em um maior número de pacientes operados de câncer de próstata. O teste autorizado envolve somente pacientes com continência urinária e será comparativo. A incontinência urinária é um dos riscos da retirada total da próstata.